terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Soneto

de Ary dos Santos, poeta com quem partilho palavras, emoções, revoltas ...

Soneto Presente



Não me digam mais nada senão morro
aqui neste lugar dentro de mim
a terra de onde venho é onde moro

o lugar de que sou é estar aqui.

Não me digam mais nada senão falo
e eu não posso dizer eu estou de pé.
De pé como um poeta ou um cavalo
de pé como quem deve estar quem é.

Aqui ninguém me diz quando me vendo
a não ser os que eu amo os que eu entendo
os que podem ser tanto como eu.

Aqui ninguém me põe a pata em cima
porque é de baixo que me vem acima
a força do lugar que for o meu


1 comentário:

IldaV. disse...

Um bom poema diz tudo, evita muitas palavras e é um refúgio certo, seguro.